Arquivo da Categoria: Textos

Hoje sinto-me capaz de amar. De fechar as portas ao passado, de abri-las ao futuro. Sinto-me simplesmente capaz. Nunca sabemos qual o momento certo até ele chegar. Hoje sinto-me capaz… De não me render. De não responder. De apagar. Há … Continuar a ler

Publicado em Textos | Publicar um comentário

Viver no campo? Viver na cidade?

Eis uma questão que nunca me tinha surgido. Ainda não me tinha apercebido do peso de ambos na minha balança. A verdade, é que vivi toda a minha vida na cidade. Não me lembro em momento algum, de ter estado … Continuar a ler

Publicado em Textos | Etiquetas , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Lost.

E aqui estou eu, sentada no chão do meu quarto. Fechada dentro destas quatro paredes onde tento descobrir os segredos do mundo. Percorro agora uma estrada comprida sem conseguir avistar o seu fim. A única coisa que vejo bem ao … Continuar a ler

Publicado em Textos | Etiquetas , , , , , | 4 Comentários

Untitled.

O tempo desgasta-nos de tal modo que a certa altura, apenas nos mantemos de pé. Sem sabermos sequer o que nos mantém de pé. Sem saber o que resta, o que ficou (se é que ficou). Deparei-me com os meus … Continuar a ler

Publicado em Textos | Publicar um comentário

4.4.10

Passeio por estradas lamacentas, caminhos árduos entre ventos e tempestades. Por vezes caio nos buracos mais profundos, percorro as grutas mais obscuras á espera da chamada luz ao fundo do túnel. Vou escalando montanhas, algumas vezes evarestes. Por vezes escorrego, … Continuar a ler

Publicado em Textos | Publicar um comentário

Advertência a folhas caídas, de Almeida Garrett

Antes que venha o Inverno e disperse ao vento essas folhas de poesia que por aí caíram, vamos escolher uma ou outra que valha a pena conservar, ainda que não seja senão para memória. A outros versos chamei eu já as … Continuar a ler

Publicado em Textos | Etiquetas , , | 1 Comentário

Tu

Tu, Talvez lamentes. Talvez lamentes as horas a fio que desperdiçámos com meros desencontros. Ou, quem sabe, os desejasses mais do que ninguém. Talvez preferisses afastar-te, quebrando o contacto e tentando – em vão –  anular os próprios sentidos. A … Continuar a ler

Publicado em Textos | 3 Comentários